2015/09 Setembro

2015/09 Setembro

Recordando a Batalha de Ourique
E Revivendo o animo dos que nela
Lutaram e Venceram

Transcreve-se a carta escrita em 1561(65)? por João Afonso Beja, que foi:

(Cónego da Sé de Braga – Deão na do Algarve
Lente de Véspera na Universidade de Lisboa
Desembargador da Casa da Suplicação)

(nessa carta lê-se a respeito de OURIQUE)

“Que lhe posso eu dizer senão chorar e lamentar a triste sorte dos portugueses que querem voluntariamente perder o que nossos antepassados ganharam.
Estava Portugal cheio de mouros, e não tinha mais (terras) que atee Coimbra, e tynha um rei muyto pobre com tam poucos portugueses e tomava-lhes Santarém e Lisboa e todo o Alem-Tejo, e dava-lhes batalha no Campo Dourique a cinco reis, e vencia-os, desbaratava-os, sem Bulas, e sem Papas e sem pedir esmolas e alegar pobreza.”

Comentário de hoje, passados 454 Anos:

O nosso Rei – Afonso Henriques – apesar de pobre, e com tão poucos portugueses (10.000?) deu batalha a 5 Reis mouros e suas gentes (100.000?) e venceu-os e os desbaratava-os, e tudo isso sem ter sido ajudado de:

Bulas,
Nem de Papas,
e   – Sem pedir esmolas,
e   – Sem alegar pobreza,
conseguiu fundar e construir um Reino Europeu e Atlante

Hoje os portugueses:
– Já não lutam pela defesa de si próprios nem de seus Familiares, nem de seu território, nem das suas gentes, nem da sua Língua – Cultura – nem da sua Honra, nem da sua Dignidade, nem desejam mais ser Livres e Independentes e PREFEREM ANTES recorrer a “Bulas de Bruxellas” e a “Papas Financeiros” do F.M.I. do B.C.E, da Federal Reserva, das Troikas e Baldrokas, alegando pobreza, e mitigando contínuos empréstimos.

– Hoje nós Portugueses Europeus passamos os dias a falar de Milhões e milhões de milhões que devemos aos outros, a alegar pobreza monetária e mental, e a pedir esmola mesmo que para isso tenhamos de hipotecar o País por mais de 5 gerações futuras, perdendo a própria honra e liberdade, e como bons escravos até vendemos os Pais e o País, a Família e os Amigos, numa voracidade louca de se querer Ter o que não se Tem, e de querer o Haver que não Há, e o de “matar a alma e a honra” por troca de míseros pratos de lentilhas, desprezando completamente o que de Bom nós ainda temos, e a liberdade e Independência que ainda poderemos rehaver.

Afinal que Vilões, que Traidores, que Ladrões, que Hipócritas, que Usurários, que Corruptos e que Incompetentes é que têm feito parte – e há mais de 450 anos até hoje – da “Comissão Liquidatária de Portugal”?

Dê-se a palavra e a acção, aos Portugueses, e sobretudo aos seus Jovens para que nesta Hora possam decidir antes de emigrarem:

– desejam:   Assumirem-se?
– ou desejam:  Sumirem-se?

O “Livro Branco de Portugal” espera pela resposta de todos nós – os Portugueses.

– Saibamos escrever nessas páginas – que aguardam transcrever a História da nossa Acção – e sejamos céleres em a efectivar, pois o TEMPO já esperou de mais, e o Prazo para se Cumprir Portugal está acabando…

 

Chegou o “Tempus agendi”

       É a HORA DE AGIR.